Imagem Comissões da Câmara acompanham prestação de contas sobre auditoria no Esaú Matos

Comissões da Câmara acompanham prestação de contas sobre auditoria no Esaú Matos

Câmara de Vitória da ConquistaNotíciaViviane SampaioComissão de Saúde e Assistência SocialComissão de Direitos Humanos, Cidadania e Defesa da MulherAlexandre Xandó

16/09/2021 19:23:00


Aconteceu na manhã dessa quinta-feira, 16, uma reunião entre a Fundação de Saúde de Vitória da Conquista, que administra o Hospital Esaú Matos, o Conselho Municipal de Saúde e as comissões de Saúde e de Direitos Humanos, Cidadania e Defesa da Mulher da Câmara Municipal, para debater o Relatório da Auditoria Nº 4.384, da Secretaria Saúde do Estado da Bahia (SESAB) – Auditoria SUS/BA. Durante a reunião, a Fundação fez um balanço dos problemas apontados na auditoria que já foram solucionados. As averiguações foram realizadas entre outubro de 2017 e março de 2018.

Representaram a Câmara, a vereadora Viviane Sampaio (PT), presidente das comissões, e Alexandre Xandó (PT), membro da Comissão de Direitos Humanos, Cidadania e Defesa da Mulher. 

Pendências seguem sem solução – Viviane afirmou que a realização da reunião foi positiva porque reuniu as duas comissões da Casa, o Conselho de Saúde e a Fundação, mas a solução dos problemas auditados ainda possui pendências. Ela explicou que não foi entregue o balanço da Fundação em formato impresso. “No primeiro balanço que foi feito, infelizmente, muitos dos apontamentos feitos pela auditoria, principalmente nas questões que comprometem a assistência ao paciente, a qualidade da assistência e a segurança do paciente e dos trabalhadores ainda estão sem cumprimento”, avalia. 

A parlamentar considera preocupante a situação do Esaú Matos porque após dois anos não se resolveu problemas que podem levar o hospital a perder o credenciamento de instituição referência de gestação de alto risco e de UTI neonatal. A avaliação de Sampaio foi endossada pela conselheira de Saúde, Suzana Cristina Silva Ribeiro, que destacou que a precarização do Esaú afeta não apenas Conquista, mas toda a região. Suzana ainda advertiu para o fato de que o hospital pode perder repasse de recursos ao não fazer as adequações cobradas.

A vereadora também explicou que a Fundação tem até o dia 20 de setembro para entregar o balanço e documentos que comprovem o que já foi feito, além de um planejamento para a execução de ações restantes. Viviane frisou que após análise desses documentos, deverá acontecer uma reunião com a Secretaria Municipal de Saúde para tratar de questões referentes à competência da pasta, e uma visita ao Esaú Matos para fiscalização no próprio hospital. 

Caráter informal da prestação de contas dificulta análise – Xandó frisou que a maioria dos problemas apontados já tinham sido identificados pelo próprio Conselho Municipal de Saúde, “que também vinha solicitando informação à Fundação, mas sem obter resposta”. Ele avalia que é preciso avançar na análise. “Apesar de vários pontos terem sido sanados, identificamos que alguns, como a CIPA [Comissão Interna de Prevenção de Acidentes] não está em atividade. É um ponto gravíssimo, já que se trata de um organismo referente à saúde do trabalhador”, detalhou. 

O vereador criticou o caráter informal da reunião: “Foi informado somente de forma verbal. Ainda teremos que nos debruçar sobre os documentos que ficaram de ser encaminhados para o Conselho e para a Câmara de Vereadores. Somente a partir disso, nós poderemos observar de fato o que foi cumprido e o que não foi”. 

Pandemia atrasou resolução dos problemas apontados pela auditoria – A assessora da Fundação, Ceres Neide Almeida Costa, comentou o relatório da SESAB, apontado a situação atual de problemas levantados pela averiguação. De acordo com Ceres, o aumento de despesas com pessoal ocorreu diante dos impactos da pandemia da Covid-19, já que muitos funcionários tiveram que se ausentar por motivos de saúde, sendo substituídos por outros profissionais, situação que onerou a folha. 

Ela explicou que adequações como instalação de telas em janelas não puderam ser feitas porque nenhuma empresa se interessou pela licitação para a compra do material. A gestora observou que foi comprado máquina autoclave e poltronas removíveis, feita manutenção dos quartos de repousos, contratação de manutenção dos equipamentos de UTI, relatório de vacinação dos profissionais do hospital, entre outras ações. Ceres ressaltou que a pandemia impediu que se desse celeridade na resolução dos problemas.

 

 



  Live Offline
Rádio Web Câmara
Facebook
Calendário

Novembro 2021
15

Seg

Ter

Qua

Qui

Sex

Sab

Dom

1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30